Data: 05/05/2017 08:34:32 - Visualizações: 91 Imprimir

POLÍTICA. Senador Ataídes quer baixar juros do rotativo do cartão de crédito

“Não existe justificativa plausível para uma taxa de juros de 494% ao ano. Como se cobra quase 50% de juros ao mês com uma taxa Selic que hoje está em 11,25%? Isso é criminoso”, denunciou o senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO) durante audiência pública promovida nesta quarta-feira (03) pela Comissão de Transparência, Fiscalização e Defesa do Consumidor (CTFC) sobre os juros do rotativo cobrados pelas empresas de cartão de crédito.

Foto da notícia

Ataídes, que é presidente da CTFC e que propôs a audiência com representantes dos consumidores e dos cartões de crédito, não se deixou convencer pelos argumentos apresentados pelo diretor da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito (ABECS), Ricardo Vieira, segundo o qual os bancos assumem 100% do risco de inadimplência no pagamento do cartão, diferentemente de outros países. “Não faz sentido. A inadimplência vem caindo e os juros continuaram subindo”, alertou.

Superendividamento

Dados da Proteste-Associação Brasileira dos Consumidores apresentados pelo presidente do PSDB/TO mostram que os juros do rotativo em outros países da América do Sul são muito inferiores aos cobrados no Brasil: 23% ao ano no México; 24,9% ao ano no Chile; 29% ao ano na Venezuela; 30,45% ao ano na Colômbia; 43,29% ao ano na Argentina; e 43,7% no Peru.

Ataídes também rebateu a alegação do diretor da ABECS de que a procura pelos cartões de crédito – que movimentaram cerca de R$ 700 bilhões em 2016 - mostram que eles são um bom negócio, tanto para instituições financeiras quanto para os consumidores.

“É a necessidade que faz o sapo pular. Ninguém gasta o que não pode no cartão porque quer, mas porque precisa. E aí tem muita gente entrando nessa roleta russa, para acabar morto, ou seja, superendividado no final”, comparou Ataídes.

O presidente do PSDB/TO prometeu não descansar enquanto não encontrar uma solução para frear a cobrança dos juros do rotativo. “Solução existe. Vamos fazer outras audiências, até pedir uma CPI se for preciso”, afirmou.

Fonte: portalonorte Foto: Web

Veja Também

PORTAL MOURANET 2015 - Todos os direitos reservados