Data: 22/04/2020 10:12:22 - Visualizacoes: 1267

BRASIL. Doria se diz arrependido pelo voto em Bolsonaro: “Não imaginava comportamentos tão irresponsáveis”

Em entrevista à Folha publicada nesta quarta-feira (22), o governador de São Paulo, João Doria, afirmou ser um dos arrependidos por ter votado no presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ).

 

“Fiz campanha me posicionando contra esquerda, o PT. O outro candidato era Jair Bolsonaro. Por ser candidato, eu tinha que ter um lado, que não poderia ser o do nulo ou em branco. Nunca fiz isso. Mas não tinha a perspectiva de ter um presidente que pudesse vir a ter comportamentos tão irresponsáveis, tão distantes da verdade, tão condenáveis sobretudo numa situação de pandemia como essa”, afirmou Doria.

 

O governador disse ainda que Bolsonaro “felizmente não conseguiu implementar a sua irresponsabilidade, pois os 27 governadores dos estados tiveram uma posição oposta e defenderam a vida”.

 

Sobre o fato da troca de elogios entre ele e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) ter consequência nas próximas eleições, Doria disse não estar preocupado com 2022. “Estou preocupado em salvar vidas, e, na sequência, recuperar a economia. Não há sentido político, eleitoral, ideológico no que tenho feito, e tenho certeza que os que estão no caminho certo têm este sentimento”.

 

Sobre as manifestações antidemocráticas, que pedem a volta do AI-5 e o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), Doria disse que apesar de não concordar com elas, não vai mandar a Polícia Militar reprimir. “Entendo que, ainda que sejam condenáveis, do ponto de vista de serem inconstitucionais e até repugnantes —e digo isso na condição de ser filho de um ex-deputado federal cassado pelo golpe de 1964 e que sofreu dez anos de exílio, com dois dos quais eu convivi—, a manifestação é de livre direito de quem quer se manifestar”.

 

“Desde que não seja uma autoridade pública, evidentemente. Uma autoridade pública com mandato não deve se pronunciar em circunstâncias como essa, ferindo a Constituição”, aproveita a deixa para fazer mais uma crítica a Bolsonaro, que compareceu a uma das manifestações, em Brasília, no último domingo.

 

Na tarde desta quarta (22), Doria vai anunciar um plano de saída do isolamento, o primeiro estado a fazer isso. Sobre o assunto, ele afirmou que não será permitido o confronto de prefeitos nas decisões do estado porque elas se aplicam, até 10 de maio, a todos os 645 municípios. “Na etapa posterior, aí sim, [a quarentena] será estabelecida por regiões e cidades e, em algumas cidades onde for possível haver relaxamento, ele será aplicado em etapas, de forma zelosa e cuidadosa”.

Fonte: REVISTA FORUM FOTO: Reprodução

Noticias Relacionadas