Data: 13/03/2020 08:12:23 - Visualizacoes: 636

CRISE ECONÔMICA. Em entrevista à Veja, Guedes admite que não tem plano para responder de imediato à crise

Guedes diz que só com a aprovação das reformas é possível "aniquilar o coronavírus", usando a velha tática liberal de apelar para a revista Veja.

 

Acuado pelo desempenho pífio no cargo de “superministro” da Economia e em atrito com o Congresso, Paulo Guedes usou à velha tática neoliberal e apelou à revista Veja para intensificar a chantagem ao parlamento, agora usando o Coronavírus.

 

Em entrevista às pressas para comentar o pânico gerado pela pandemia anunciada na quarta-feira (11) pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no entanto, Guedes admitiu que não tem planos para “responder de imediato à crise”.

“Não. É por isso que a gente precisa das reformas, para nos dar espaço fiscal”, disse ele, adaptando a já desgastada tese de que a aprovação das reformas “vai aniquilar o coronavírus”, assim como já se falou na geração de empregos e na reativação da economia, que não aconteceram.

 

“Se promovermos as reformas, abriremos espaço para um ataque direto ao coronavírus. Com 3 bilhões, 4 bilhões ou 5 bilhões de reais a gente aniquila o coronavírus”, afirmou, ressaltando que “já existe bastante verba na saúde, o que precisaríamos seria de um extra”.

Congresso

Guedes ainda admitiu que governo e Congresso não estão “falando a mesma língua” e desferiu novas críticas ao parlamento.

“De fato, temos um problema de comunicação. Não estamos falando a mesma língua. A entrada do orçamento impositivo, por exemplo, causou um enorme atrito, um enorme mal-­estar. O Congresso está querendo reassumir as prerrogativas de controle dos orçamentos públicos, o que numa democracia, numa República Federativa, é desejável. Por outro lado, o sistema é presidencialista”, afirmou.

 

Em entrevista a O Estado de S.Paulo, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, disse que Guedes tem “pouca coisa ou quase nada” de curto para combater a crise que se aprofunda com a pandemia de coronavírus e sinalizou que a chantagem feita pelo ministro com o Congresso para aprovação das reformas neoliberais parte de um pensamento “medíocre”.

Fonte: MATÉRIA DA REVISTA FORUM

Noticias Relacionadas